A 1ª Concessionária Chevrolet do Brasil
A 1ª Concessionária Chevrolet do Brasil

O encontro do icônico Chevrolet Opala com o “Cruze” V8 da atual Stock Car

Para comemorar os 40 anos da maior categoria do Brasil, convidamos Chico e Daniel Serra para dar uma voltinha com o velho e o atual Stock Car

Foi por mera coincidência que eu e o editor de arte/fotógrafo Fernando Pires chegamos ao autódromo de Interlagos, em São Paulo (SP), de modo sincrônico a Chico Serra.

O tricampeão de 1999, 2000 e 2001 da Stock Car ainda nem nos conhecia, mas nós o reconhecemos subindo a ladeira que leva do estacionamento aos boxes logo à nossa frente. Sobre o ombro direito, as alças de uma mala de mão branca, onde ele armazenara seu macacão.

Serra caminhava a passos tranquilos rumo ao posto da equipe Eurofarma RC – administrada por Rosinei Campos, o Meinha –, onde o filho e atual bicampeão do certame, Daniel, já se encontrava.

Era o início dos preparativos para a Corrida do Milhão, etapa mais importante de uma temporada em que a principal categoria do automobilismo brasileiro completa 40 anos de vida.

Serra, o filho, precisava se concentrar na luta pela vitória e na defesa da liderança no campeonato. Ainda assim, topou dedicar algum tempo do fim de semana para aceitar um desafio proposto por QUATRO RODAS.

Dar algumas voltinhas ao lado do pai acelerando os dois carros mais icônicos das quatro décadas de Stock Car: o de 2019, que utiliza uma bolha do Chevrolet Cruze, e o velho Opala que deu origem a tudo.

Para tornar a ação mais interessante, sugerimos uma inversão: Chico conduziria o Stock #29 do filho, enquanto a Daniel caberia guiar o Opala #6 da Old Stock Race, competição que homenageia as origens da Stock Car com Opalas originais preparados (e que preparação!).

Para Serra pai, nenhuma novidade, visto que o veterano chegou a pilotar a bolha fornecida pela JL em seus últimos anos de Stock. Já Serra filho viveria a primeira experiência a bordo de um Opalão.

Falemos um pouco mais sobre as grandes estrelas desta reportagem. Desculpem, Chico e Daniel, mas estamos falando do Cruze bolha e do Opala.

Afinal, enquanto este serviu à Stock por 15 anos (com carroceria original de 79 a 86; carenagem sobre o chassi de Opala de 87 a 89; monobloco a partir da mecânica do cupê de 90 a 93), aquele vem sendo utilizado e atualizado pela categoria desde 2001.

Ao fim desta temporada, gozará enfim de merecida aposentadoria, dando lugar a outro carro/chassi, ainda em desenvolvimento.

Um senhor de respeito

O primeiro Opala que serviu à Stock Car, em 1979, tinha como base a configuração 250-S.

Nela, o cultuado motor seis-cilindros em linha de 4,1 litros gerava 171 cv de potência e 32,5 mkgf de torque, sendo gerenciado por câmbio manual de quatro marchas.

O primeiro Opala que serviu à Stock Car, em 1979, tinha como base a configuração 250-S.

Nela, o cultuado motor seis-cilindros em linha de 4,1 litros gerava 171 cv de potência e 32,5 mkgf de torque, sendo gerenciado por câmbio manual de quatro marchas.

O câmbio de cinco marchas é herança da picape D-20. Tudo para atingir 340 cv e 220 km/h no fim da reta de Interlagos. Ah, e ele bebe etanol, usando um tanque de 85 litros do Opala Comodoro.

Chassi e carroceria são originais, incluindo suspensões (independente com braços sobrepostos na dianteira; eixo rígido com molas helicoidais na traseira) e diferencial, mas as rodas de fábrica dão lugar a um jogo de liga leve aro 16 do Honda New Civic, calçado por pneus radiais.

Além disso, o para-brisa usa vidro laminado, não mais temperado, enquanto as demais janelas (exceto a do motorista, aberta para facilitar a entrada e a saída do piloto) são vedadas por um composto de policarbonato que lembra acrílico.

Os freios usam disco ventilados nas quatro rodas. Com todas essas especificações, o Opalão da Old Stock pesa 1.200 kg e vira na casa de 1min58s no traçado de 4.309 metros de extensão de Interlagos.

Cruze com resquícios de Camaro

Já o chassi tubular atual da Stock é fabricado pela JL. Pesa 1.325 kg em ordem de marcha, incluindo piloto a bordo.

Sua estrutura tubular é composta de treliças de molibdênio e chapas de alumínio, enquanto a carenagem é de fibra de vidro. E se faróis e grade dianteira são meros decalques, as lanternas traseiras funcionam de verdade.

As suspensões são independentes com braços duplo A nos dois eixos. Os freios, a disco ventilado e perfurado, contêm pinças de seis pistões na dianteira e quatro na traseira. As rodas, 305/660 R18, são vestidas por pneus Pirelli PZero.

O motor, desde 2010, é um V8 naturalmente aspirado de 6,8 litros desenvolvido pela preparadora americana Mast. Ele aproveita o bloco de alumínio da família GM LS3, o mesmo utilizado pelo Camaro SS de penúltima geração.

Já o cabeçote vem da linhagem LS7, que faz parte do antigo Corvette C5R. Assim como o Opalão da Old Stock, o combustível usado no tanque é etanol.

Com a abertura da borboleta do acelerador sempre restrita a 60% ou 70%, a potência do atual Stock fica na casa de 450 cv em um circuito tipo Interlagos, saltando para 500 cv quando acionado o botão de ultrapassagem.

O torque passa de 70 mkgf e a caixa de câmbio, fornecida pela XTrac (mesma fornecedora da Fórmula Indy), é automatizada de seis marchas com dupla embreagem, sendo as trocas realizadas pelo piloto através de borboletas no volante.

Serras aceleram

Macacões e capacetes vestidos, lá partiram os Serra para duas voltas no circuito. Nosso fotógrafo, Fernando Pires, acompanhou tudo bem de perto num carro de apoio, a fim de registrar as imagens que ilustram esta reportagem.

Em alguns momentos, pediu que os pilotos se aproximassem o máximo que pudessem da câmera. Enquanto Chico, no Stock atual, manobrava com confiança, Daniel hesitava.

Ao fim da experiência, Serra filho explicou: “Em alguns momentos, parecia que os freios não iriam funcionar. A resposta é muito mais lenta, assim como a da direção. É difícil de acostumar”.

E seguiu: “O câmbio também é bem longo, então é tudo muito diferente”. Mas há algo do qual ele gostou mais em relação ao Stock atual: “A posição de dirigir é mais alta, então a visibilidade é melhor”.

Chico, que pilotou profissionalmente os dois carros, concordou com as observações do filho: “Não tem comparação o quanto as respostas desse carro [apontando para a bolha do Cruze] são mais diretas e precisas. E também mais rápidas. A aderência é muito maior”, resumiu.

Perguntado sobre qual carro é o mais divertido de pilotar numa corrida, Serra pai deixou a nostalgia de lado e foi enfático: “O atual, sem dúvida nenhuma”.

Mas coube a Serra filho fazer a ponderação final: “Hoje, a gente acha algumas soluções deste carro [o Opala] estranhas, mas na época ele tinha o que de mais moderno era possível colocar num carro de corridas brasileiro.

Com esse outro vai ser a mesma coisa. Agora ele é considerado moderno, mas, daqui a 30, 40 anos, quem pilotá-lo talvez vá sentir uma estranheza semelhante à que eu senti hoje com o Opala. É um ciclo”.

Daniel tem razão: o relógio é inexorável para todos. Mas é preciso reconhecer o brilho de quem soube fazer história a seu tempo.

Fonte: Quatro Rodas